Fanfic - Do What U Want


Fanfic - Do What U Want
Ship: Swan Queen / Once Upon a Time
Classificação: +18
Gênero: Drama, Romance, Orange, Universo Alternativo,Yuri
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Disclaimer: A série e os personagens não me pertencem, e sim à ABC e aos produtores Eddy e Adam. Somente a ideia louca de fazer disso um universo alternativo me pertence.
 A montagem eu peguei na internet e apenas editei para poder colocar como capa, ela também não me pertence.

N/A: Então pessoal, escrevi essa história baseada na música "Do What U Want" da Lady Gaga, e principalmente baseada num desenho Swan Queen que apareceu pela internet (estará no início do capítulo). Não tenho certeza se vai permanecer Oneshot ou se transformarei numa fic, por isso deixarei em aberto. Por enquanto, a história é somente isso, por que não quero começar algo e abandonar logo depois. Pensarei, se caso aparecer mais ideias ou capítulos, transformarei em long fic. Espero que gostem! Leiam e divirtam-se! Atenção: oneshot altamente sexual, se não gosta ou se sente ofendido, não leia.




Os olhares se cruzaram pela primeira vez após bastante tempo. Os verdes com os castanho-escuros. Um pequeno sorriso nos lábios da loira, um aceno de cabeça quase imperceptível vindo da morena. Então, a porta da mansão foi aberta para que Emma entrasse. Com as mãos enterradas no bolso da calça jeans, perguntava-se mentalmente o que fazia ali naquela casa. A morena fechou a porta atrás dela, convidando-a para um drinque e levando-a até a sala. Seguiu-a, logo aceitando o copo de uísque que a outra lhe oferecera, encostando-se ao batente da porta. Regina continuava linda, talvez mais bonita que o normal. Usava um vestido vermelho justo, salto alto, o cabelo sempre bem escovado, ela estava sempre bem maquiada. Sentada no sofá, com as pernas cruzadas, olhava inquisitivamente para Emma, até que finalmente falou:

— Então, o que a traz aqui, Miss Swan?

— Eu... Achei que nossa conversa ficou inacabada... – ela começou, balançando a bebida no copo, tentando não olhar para a morena.

— A que conversa você se refere?

— Como assim, a que conversa? – a loira a encarou. — Lá no barco... Depois na ilha... Não adianta me olhar assim, sei que não esqueceu. – ela sorriu de canto.

— Humm... Você acha que sabe demais, Miss Swan... – Regina sorriu maliciosamente, abaixando os olhos para o seu próprio drinque.

— Talvez eu saiba mesmo... Você me contou tantas coisas...

— Que não deveria ter contado. – a morena a encarou, subitamente séria.

— Deixa disso, Regina, você quis contar, eu sei. – Emma sorriu confiante.

— O que você sabe, Miss Swan? – em um piscar de olhos Regina estava de pé, andando perigosamente até a loira, fazendo-a engolir em seco. — Você só sabe do que eu a deixei saber, entende? – seus rostos estavam a centímetros de distância.

— Eu... É... – Emma gaguejava, sem conseguir falar nada. Regina sorriu, tomando o resto da bebida, afastando-se.

— Se quer ir direto ao ponto, eu sei por que está aqui. – voltou a encarar a loira.

— Não, não sabe. – a xerife tentou ser firme, mas sem muito sucesso.

— Ah, tem certeza que não sei, Miss Swan? – Regina soltou uma gargalhada, andando sensualmente até a loira, segurando no braço esquerdo dela, pegando-a de surpresa. Começou a massagear o pulso lentamente.

— Regina, o que você...

— Você está aqui porque eu lhe prometi algo no barco, não foi?

— Eu... – os carinhos subiam para o braço, deixando-a meio tonta, não conseguia achar as palavras certas para dizer.

— Eu prometi que ia lhe dar algo... E você veio buscar... Certo? – Regina sorriu maliciosamente, levando os dedos de Emma perto dos seus lábios, beijando-os lentamente.

— Regina... – um sussurro saiu dos lábios da loira. — Eu... Não é o que... – ela mordeu o próprio lábio, fazendo com que a morena risse novamente.

— Eu vou te dar o que você quer, Emma. – ela deu alguns passos para trás, puxando Emma perto de uma cadeira, ordenando. — Sente-se.

            Emma sentou-se na cadeira, olhando para Regina, esperando o que ela ia fazer. A morena andou até o raque, ligando o rádio, deixando que uma música envolvesse o ambiente. A loira mordiscou o lábio inferior, ansiosa. Quando estavam no barco, acabaram passando noites conversando. Primeiro, as brigas eram mais frequentes, mas com o tempo a morena foi ficando mais paciente e elas começaram a se falar mais e a se abrir. Emma ainda estava em dúvida sobre seus sentimentos... Sobre Neal... E confessou que sentia algo pelo pirata, mas... Naquele momento sua maior preocupação era Henry. Ela já estava acostumada a estar sozinha, e ter seus sentimentos sempre em segundo plano. Quando tinha suas vontades e desejos, saia com alguém em um bar, ou se virava sozinha. Fora nesse momento que Regina entrara.

— O que você disse mesmo que queria, Miss Swan? – Regina perguntou, começando a dançar, movendo o quadril de um lado para o outro, enquanto se aproximava de Emma. E como a outra parecia não querer falar, ela ordenou. — Ou você começa a dizer o que quer, Miss Swan, ou nós paramos por aqui. – ela levantou uma sobrancelha.

— Eu quero você, Regina. – ela disse em um suspiro profundo. — Bem aqui... – a loira bateu de leve em sua própria coxa.

— Emma, Emma... Não aprendeu ainda que você não manda em nada aqui? – ela respondeu, voltando a andar, no ritmo da música, colocando uma perna de cada lado da loira, ainda em pé. Inclinou-se para frente levemente, uma mão de cada lado segurando na cadeira, sussurrando no ouvido da loira. — Eu mando. Você obedece.

            As palavras pareceram surtir efeito, pois Emma não conseguiu segurar um gemido, estremecendo. Aquilo pareceu satisfazer Regina, que se afastou, ficando ereta novamente. Recomeçou a mexer os quadris, de um lado para o outro, e a parte interna de suas coxas roçava no jeans da loira. Seus ombros se mexiam, ela levantava o braço, mexia a cabeça, fechava os olhos, mordiscando a parte interna do braço, deixando uma marca de batom vermelho escuro em sua pele. Emma não conseguia tirar os olhos da mulher a sua frente. Era completamente hipnotizante. Regina novamente se inclinou, segurando-se na cadeira, movimentando o quadril e jogando-se para frente, com o rosto colado ao da loira.

— Gosta disso, Miss Swan? – ela lambeu o pescoço da loira até o queixo, mordiscando-o. Um gemido veio em resposta entre os lábios secos. — Interessante...

            Ela voltou a se afastar, um pouco mais dessa vez, colocando uma coxa entre as pernas da xerife, lentamente desabotoando alguns botões do vestido. Levantava-o até o meio das coxas, só assim a loira podia perceber a cinta-liga preta que Regina usava por baixo do vestido. A respiração dela ficou descompassada, e seus olhos verdes encaravam os marrons escuros, perdendo-se na perfeição de seu corpo moreno. Quando estendeu a mão para tocar nas pernas de Regina, acabou levando um tapa nas mesmas.

— Nada de tocar, Miss Swan... Pelo menos não por enquanto. – ela sorriu maliciosamente.

— Regina... Deixa eu tocar, vai... – ela mordeu o lábio inferior, implorando com os olhos. A morena soltou uma gargalhada.

— Nunca imaginei que seria tão bom te ver pedir... Implorar... Miss Swan... – ela sorriu, olhando atentamente nos olhos verdes, para não perder nenhum detalhe. — É delicioso... – e desceu, sentando-se na perna direita de Emma, rebolando lentamente.

            A loira levantou um pouco a perna instintivamente, sem conseguir respirar direito. Os olhos passeavam pelo corpo divinamente belo da morena. As pernas bem torneadas, os seios que ficavam realçados naquele vestido, o quadril, os lábios cheios, os cabelos pretos e bagunçados... No fundo, sempre a desejara, mas nunca dissera nada. Talvez por medo, receio, dúvidas... Bobagens... Segredos... Não queria somente possuir aquela mulher... Queria ser possuída por ela. Quer ser devorada. Cada olhar que recebera de Regina durante aqueles anos, sentira-se devorada pela prefeita. Nunca contara para ninguém, mas já se aliara sozinha durante várias noites só de pensar na prefeita, em seus olhares e seu corpo perfeito. Quando Regina propôs que poderiam tirar proveito uma da outra, Emma se viu completamente satisfeita em aceitar o acordo. Finalmente teria aquela mulher para si, podendo experimentar do seu corpo.

            Instintivamente levou a mão à boca, admirando Regina. A morena ficou de pé, começando a retirar o vestido vermelho. Ela sorria completamente absorta em seduzir Emma. Quando o vestido foi ao chão, revelou-se um sutiã negro de renda, que combinava com a calcinha. Ela virou-se de costas, ainda dançando, sentando-se lentamente no colo de Emma, rebolando, levando a loira à loucura. Emma segurou nas coxas da morena, sem conseguir se controlar, arranhando-a.

— Miss Swan... – mas ela nada fez para tirar as mãos da outra do lugar.

— Eu quero você, Regina. Não posso evitar... – ela se inclinou para frente, mordendo o ombro moreno, fazendo um gemido escapar dos lábios da prefeita.

— Você vai pagar... – Regina sorriu, forçando Emma a se recostar na cadeira, encostando-se a ela.

Começou a se mexer ao som da música, esfregando seu corpo ao corpo da loira, com as mãos nas coxas e quadril da outra. Emma gemeu, sentindo os seus próprios seios ficarem rígidos contra a fina regata preta que usava. Não tinha posto sutiã, e duvidava que Regina se importasse com aquilo. As mãos de Emma passeavam pelo corpo da morena, arranhando de leve sua barriga, apertando seus seios por cima do sutiã, descendo até as coxas, arranhando-a a parte interna, pressionando o sexo úmido. Quando fez menção de estimulá-lo, a mão de Regina a deteve.

— Não, minha querida. Você é minha, hoje. – ela sorriu, levantando-se. Desabotoou a calça jeans de Emma, puxando-a pelas pernas, deixando a peça de roupa no chão. Ajoelhou-se entre as penas dela, com uma mão em cada coxa, apertando, arranhando lentamente, sem tirar os olhos dos verdes. — Você já fantasiou comigo assim, Miss Swan? Já me imaginou assim... De joelhos... Bem aqui? – a morena tocou o sexo da loira por cima da calcinha. Emma gemeu, mordendo o lábio. — Vamos, me diga. – a voz estava carregada de sensualidade.

— Já... Várias vezes... – a respiração estava falha, e ela podia sentir seu sexo pulsando somente com o toque de Regina.

— Bom saber disso... – ela fez mais pressão no sexo da loira, passando as unhas ao redor da calcinha, na virilha. — Você já se tocou pensando em mim... Miss Swan? – e como não houve resposta, ela apertou novamente, com o dedão bem em cima do clitóris. — Eu mandei me responder... Não mandei?

— Já... Regina... – ela se contorcia na cadeira. — Isso é tortura... Por favor...

— Não era o que queria, Miss Swan? Não foi o que me pediu? – ela sorriu maliciosamente. — Mas vou atender ao seu pedido, somente se você o disser em voz alta. O que quer que eu faça, Emma? – ela sussurrou o nome da loira entre os lábios cheios e vermelhos.

— Eu quero que você me coma Regina. Me devore. – as palavras saíram em um suspiro carregado da boca da loira. Seus olhos olhavam intensamente para Regina, que sorrira.

— Às suas ordens, xerife.

            Regina puxou a calcinha da loira, rasgando o tecido fino entre os dedos, ouvindo um grito abafado da outra. Não pode deixar de sorrir, aproximando-se mais, observando o sexo inchado e apertado de Emma. Finalmente seus dedos o tocaram, sentindo a umidade da loira. Seus dedos deslizavam facilmente pelo clitóris, fazendo a loira gemer e se contorcer. Ela estava amando aquelas reações. Nunca imaginara que seria tão bom fazer a loira sucumbir aos seus toques. Massageou com os dedos, para então mergulhar no sexo de Emma, explorando-o com a língua, experimentando seu gosto adocicado. As mãos da loira foram diretamente para os seus cabelos, puxando-os, enquanto uma das coxas se apoiou em suas costas. Emma rebolava, sem conseguir parar de gemer, muitas vezes dizendo coisas desconexas, só incentivando mais e mais a morena.            Quando sentiu que Emma já estava quase lá, introduziu dois dedos, fazendo movimentos de vai e vem, um pouco mais lentos no começo, mas aumentando a velocidade depois.

— Regina... Eu... hummm... – ela gemia, sentindo seu corpo todo estremecer. — Eu não vou aguentar mais... – mordiscou o lábio inferior. A morena parou de chupá-la por um momento, olhando intensamente nos olhos verdes.

— Goza pra mim, Emma. – e lentamente aproximou a boca do sexo, dando uma lambida firme no clitóris.

Sentiu o corpo da loira estremecer sob si. Continuou lambendo, dessa vez mais intensamente, enquanto movimentava seus dedos dentro dela. Não demorou muito para que Emma sentisse seu corpo todo tremer, arqueando para frente, num gemido alto, num orgasmo. Recostou-se na cadeira, completamente exausta. Regina sorria, lambendo todo o líquido da loira. Retirou seus dedos de dentro dela, lambendo-os um a um.

— Não sabia que era tão deliciosa, Miss Swan... – ela sorriu, mordendo de leve a parte interna da coxa.

— Isso foi... Incrível... – Emma sorriu, com a respiração descompassada.

— Eu sei. – Regina sorriu, levantando-se.

            Por um momento, ficou em dúvida sobre o que fazer em seguida. Não sabia se daria continuidade à noite com Emma, ou se a loira planejava ir embora. Afinal, eram o que tinham combinado, não era? Somente sexo, somente diversão. E que diversão! A loira não se mexeu, olhando para Regina, incerta se deveria ou não ir embora. Por fim, resolveu perguntar.

— Então... A noite acaba aqui?

— Me diga você, Miss Swan. – ela suspirou, sendo sincera.

— Pelo o que combinamos, ainda tenho direito a experimentar seu corpo, então de maneira nenhuma que isso acaba aqui... – ela sorriu, levantando-se, ainda se segurando na cadeira, recuperando o fôlego.

— Você tem razão... Surpreenda-me. – ela sorriu, cruzando os braços em frente ao corpo.

— Com prazer... Regina... – Emma a empurrou contra a parede da sala, encaixando-se nas costas da prefeita. Mordeu o ombro dela, depois o pescoço, lambendo-o. Mordiscou o lóbulo da orelha. — Quero saber se você é tão inebriante quanto parece... – a mão de Emma desceu pelas costas e quadril de Regina, arranhando-a, marcando-a levemente.

— Só experimentando para saber, Emma. – ela provocou, sorrindo.

            Os dedos de Emma desceram entre as coxas de Regina, apertando o seu bumbum empinado, e estimulando o sexo completamente molhado. Não demorou muito e já estava com os dedos dentro dela, movimentando-os lentamente, sentindo Regina rebolar para ela. As mãos espalmadas na parede, enquanto pequenos gemidos saíam de seus lábios. A mão esquerda de Emma desceu pela barriga da morena, arranhando-a, até encontrar seu clitóris, estimulando-o, massageando-o. Regina gemeu mais alto, arrepiando inteira, encostando a testa na parede, rebolando mais forte contra a outra. Emma mordia as costas dela, enquanto aumentava a pressão em seus dedos, movimentando-os mais rapidamente.

— Goza para mim... Regina... Vai... – Emma sorriu, sussurrando para a morena.

            Sentiu o corpo se contorcer à sua frente, e Regina estremecer, gemendo alto, estufando o peito pra frente, empinando o bumbum contra Emma, explodindo em um orgasmo. O corpo amoleceu, e ela apoiou-se na parede. A loira passou a mão pela cintura dela, segurando-a forte, enquanto retirava os dedos de dentro da morena. Levou-os à boca, experimentando o gosto de Regina. Antes que pudesse pensar, Regina puxou sua mão, levando os dedos para sua boca e sentindo o próprio gosto, lambendo os dedos da loira.

— Você é viciante, Regina, deliciosa... – ela sorriu, beijando o pescoço da morena.

— Que bom que gostou Emma... – ela virou-se na parede, ficando de frente para a loira, segurando-a pela cintura. Olharam-se por uns minutos, absortas no momento. — Acho que está na hora de você ir... Miss Swan...

— Regina, eu não posso...

— Não, Emma. – a morena a interrompeu. — Melhor não... – sua mão acariciou a pele clara do rosto da loira. — Amanhã você pode voltar, se quiser... – ela sorriu.

— Eu vou voltar. – era uma promessa.

            Os lábios se tocaram por um instante, em um beijo satisfeito e profundo. Não demorou mais que alguns segundos, e logo Emma já estava pegando suas roupas e se vestindo da forma como conseguiu, despedindo-se da morena. Regina viu a xerife atravessar a porta, e ficou imaginando até quando aquilo daria certo... Pelo menos tinha alguma companhia, e por aquela noite, o sexo realmente seria incrível, irresistivelmente bom. O pensamento de que Emma voltaria na noite seguinte já a animara, mesmo sem ela saber o porquê. Antes que pensasse muito mais, foi atrás de uma taça de vinho, deixando-se aproveitar o momento.


            A loira entrou em seu fusca, e ao fechar a porta, deixou a cabeça bater de leve no volante. Ainda estava completamente extasiada com o que acontecera naquela noite. Realmente, Regina era viciante, deliciosamente viciante. Sorriu, feliz em bastante tempo. Satisfeita. Não sabia onde aquelas noites iriam levar, e se fazia o certo em deixar que Regina a comandasse daquela fora. Ela fora muito clara na ilha. Regina podia fazer o que quisesse com ela, com o seu corpo. Ela queria ser seduzida, comandada, amada e devorada. Regina ofereceu-se para dar-lhe o que ela queria. E por aquela noite, Emma já sabia que ela podia mesmo dar. Uma parte de si ainda tinha medo de que as coisas saíssem fora de controle, mas depois de experimentar uma noite com Regina Mills, ela não podia mais resistir. 

4 comentários

  1. Quando vi esse desenho no tumblr já imaginei milhares de coisas e agora acompanhado dessa oneshot.... sinceramente... delicioso! rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso deixa qualquer um exitado!

      Excluir
  2. Nossa....fiquei até sem ar...foi quente e viciante..humm delicia de história.Nota mil
    NCG

    ResponderExcluir

Layout por Maryana Sales - Tecnologia Blogger